jump to navigation

Lampião, “Rei ou Rainha do Cangaço”? abril 16, 2012

Posted by eliesercesar in Reportagem.
trackback

Livro proibido do pesquisador Pedro de Morais,  juiz aposentado de Sergipe,  causa polêmica no Nordeste, ao revelar que Virgulino Ferreira da Silva, o “Lampião” era homossexual e  Maria Bonita adúltera. Tem gente querendo dar um de cangaceiro e comer o fígado do escritor.

Arquétipo do cabra macho do sertão, a figura de Virgulino Ferreira da Silva, mais conhecido como “Lampião, o Rei do Cangaço” é impiedosamente desmitificada no livro Lampião – O Mata Sete, do juiz aposentado sergipano Pedro de Morais. Na biografia, que teve a  publicação e comercialização proibidas pelo juiz Aldo Albuquerque, da 7ª Vara Cível de Aracaju (SE), a pedido da única filha do casal lampião e Maria Bonita, Expedita Ferreira Nunes, de 79 anos, as grandezas machas do mais famoso cangaceiro do Nordeste são despejadas na caatinga. Em seu lugar, no mesmo cenário de umbuzeiros, mandacarus e sol inclemente, aparece um Lampião homossexual.

Isso mesmo, uma heresia para todos aqueles que cultuam a valentia e brabeza de Lampião: boiola. Vôte!  Arre égua! Oxente, onde já se viu um troço desse, Seu Menino?  Cangaceiro gay? Robocop gay,  vá lá, até porque esses super-heróis americanos são chegados à umas frescuras, a formar partes inseparáveis como Batman e Robin. Mas um cangaceiro da terra do Sol, que reza por Deus e enfrenta o Diabo, já é muita presepada. Seria? Não, não é.  A pura verdade é que  Lampião gostava de macho, como ele próprio,  garante da biografia proscrita.

“Lampião era ladrão, safado, perverso, canalha e, o que não é má qualidade, bicha”, repete Pedro de Morais, em entrevista a vários jornais e site de notícias do Nordeste, para reforçar, maldoso e com o conhecimento de quem alega que vem estudando o tema do cangaço há cinco décadas : “Aliás, uma bichona”,  A tese do magistrado aposentado é de que o “Capitão Virgulino” mantinha uma relação homoafetiva com o cangaceiro Luiz Pedro, que também seria namorado de Maria Bonita, a companheira de Lampião, formando assim um triângulo amoroso no sertão.

Lá ele…

Segundo o historiador, em 1922, Lampião teria recebido um tiro nos quimbas, em tiroteio na Fazenda Tabuleiro, na ponta da Serra dos Paus Brancos, em Conceição do Paincó (PB), o que o teria impossibilitado de procriar. Em decorrência disso, garante Pedro de Morais, Expedita, não seria filha do cangaceiro, mas de Pedro Luiz ou Messias de Caduda, um dos coiteiros do bando. Além de gay, roncolho, Seu Juiz?

Para chegar à conclusão de que “O Rei do Cangaço” era “tiro surdo” (homossexual enrustido) o autor de Lampião – O Mata –Sete , Pedro de Morais diz ter consultado mais de 60 publicações sobre o assunto. Em estilo quase “juridiquês” ,  escreve ele na página 84 desse livro visto como “um folhetim amoroso do cangaço: “Desse acidente resultou consolidada a firme invirilidade, impossibilitando o exercício procriatório. Pouca ou nenhuma falta fez, porém, porque dele nunca foram conhecidas histórias de congressos carnais com mulheres… Com mulheres, Lampião nunca. Nunca. Isso é verdade. Seu negócio, desde muito cedo era outro, desde a mais tenra idade”.

Sem medo de parabélum, rifle Papo-Amarelo, calibre 44, ou punhal, armas utilizadas no cangaço,   juiz aposentado prossegue na desconstrução  do cangaceiro macho: “O que eu digo e mostro é que havia no cangaço um trio amoroso, envolvendo Lampião, Maria Bonita e Luiz Pedro, o amor dos dois. Luiz Pedro era um cangaceiro namorado de Lampião, e trocaram juras de amor eterno. Certa vez, Luiz Pedro matou o irmão de Lampião, que era a coisa que Lampião mais queria bem., e,em troca, Lampião que nunca foi de clemência, absolveu Luiz Pedro, exigindo juras de que jamais se separariam. Isso na me pareça coisa de macho”.

Fonte primária desqualifica a biografia

Como fonte primária de seu livro, Pedro de Morais cita o sociólogo e antropólogo Felipe Pernambucano de Mello, um dos maiores especialistas em cangaço do Nordeste e autor do livro Estrelas de couro: a estética do cangaço,“ Ele diz que Lampião tinha os adereços e a conduta da cultura homossexual”, observa o autor de Lampião – O Mata Sete. Só que, em entrevista sobre a polêmica, o próprio Pernambucano de Mello  considerou a tese “delirante” e observou que “os registros da época não autorizam essa conclusão”.

O juiz-escritor diz que a visão romântica de Lampião e Maria Bonita, “uma mulher pirracenta” foi pintada, no imaginário popular, pela literatura de cordel. Que ele pretende desmistificar e desmitificar nas páginas de seu livro. Esta semana, o juiz Aldo Albuquerque manteve a decisão de proibir a comercialização do livro, tomada em novembro do ano passado, mesmo sem o ter lido, com o mesmo argumento de que “a Constituição Federal protege a inviolabilidade da individualidade das pessoas”. Conforme, Albuquerque não haveria problema de ordem legal se o livro “versasse apenas sobre os crimes cometidos por Lampião, um fato público”.

Em resposta, Pedro de Morais chamou seu colega de “preconceituoso” e prometeu recorrer da decisão junto ao Tribunal de Justiça de Sergipe. Caso não tenha sucesso, avisou que vai jogar os 1 mil exemplares que lhe restam – outros 1 mil foram vendidos na Bienal do Livro da Bahia. Em novembro passado, antes da proibição judicial – nas águas do rio Sergipe. Aí, sim o sertão de Lampião vai virar mar.

Detratores  consideram a tese “delirante”

Entre os maiores detratores do livro do juiz aposentado está Alcindo Alves da Costa, membro da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço e autor dos livros Sertão de Lampião, Lampião além da versão e Lampião em Sergipe. Para Alves da Costa, a tese de Pedro de Morais “é uma aberração”. Segundo ele, “dizer-se que Lampião era homossexual e Maria Bonita adúltera e os dois coabitavam com Pero Luiz, vivendo assim, em plena caatinga, um triângulo amoroso, é algo que em sã consciência ninguém tem o direito de acreditar”.

Outro estudioso do fenômeno, João de Souza Lima postou um artigo no Orkut em que garante que “no cangaço não existiu casos de homossexualismo; nenhum estudo apontou essa prática”.
Mais um pesquisador, Antonio Amaury Corrêa de Araújo, autor de Maria Bonita, foi irônico: “Não se estranhe quando surgirem histórias de Lampião  na Lua ou no fundo mar, ou quando escritores afirmarem que Lampião foi visto escalando o Everest,atravessando o deserto de Saara ou lutando contra esquimó no Polo Norte”.

Com seu livro, Pedro de Morais entra no grupo seleto que tiveram seus livros proibidos no país, como Ruy Castro e Paulo Cesar Araújo. O primeiro viu seu livro Estrela Solitária: um Brasileiro Chamado Garrincha,  impedido de ser vendido por 11 anos, por uma ação judicial dos herdeiros de Mané Garrincha. O segundo escreveu uma biografia não autorizada de Roberto Carlos, mas o cantou conseguiu impedir a comercialização do livro e apreender 11 mil exemplares.

Para garantir  o acesso irrestrito do leitor a biografia de figuras pública  e acabar com a proibição às biografias não autorizadas, tramitam dois projetos na Câmara dos Deputados, umdo deputado Newton Lima (PT-SP), outro da deputada Manuela D’Àvila (PCdoB-RS). A biografia de Pedro de Morais é um daqueles livros que poderiam passar despercebido do público não fosse a anacrônica proibição que só serviu para dar visibilidade á uma obra menor.

Na ficção, pode

O amor  ( não consumado) entre dois homens em plena guerra no sertão tem um paralelo épico na literatura brasileira: Grande Sertão: Veredas, do mineiro João Guimarães Rosa, a história do romance impossível entre os jagunços Riobaldo Tatarana e Diadorim,a neblina dele, na verdade, uma bela mulher disfarçada de guerreiro para vingar a morte do pai. Mas, o valente Lampião nada tem de Diadorim, nem tampouco o matador Pedro Luiz se assemelha a Riobaldo. Nonada!

 

Reportagem publicada no jornal digital Bahia247 (www.bahia247.com.br)

Anúncios

Comentários»

1. Infeto - maio 12, 2012

Hummm cara agora que udeu. Sendo verdade ou não pode ter certeza que O lampiao vai dar cabo dele lá do outro lado. Huahauaahaha.

2. Archimedes Marques - setembro 12, 2012

Recentemente escrevi o livro LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE, obra essa que refuta veementemente o seu opositor LAMPIÃO O MATA SETE. Para maiores informes sobre o meu livro acessem http://www.cangacoemfoco.jex.com.br

Archimedes Marques


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: