jump to navigation

A VEZ EM QUE CONHECI DARCY RIBEIRO outubro 18, 2015

Posted by eliesercesar in Artigos.
trackback
Darcy Ribeiro faz palestra, na 33ª reunião anual da SPBC, em 1981, em Salvador.

Darcy Ribeiro faz palestra, na 33ª reunião anual da SPBC, em 1981, em Salvador.

Era o ano de 1981. A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) realizava, em Salvador, a sua 33ª reunião anual. No Pavilhão de Aulas da Federação da UFBA fora montado um circo para as palestras e shows, uma novidade lúdica, como todo circo, para um evento científico e uma forma de popularizar a ciência, aproximando-a dos estudantes, como eu. Naquela tarde, seria realizada a palestra mais aguardada de todas, a de Darcy Ribeiro, anistiado há dois anos pela ditadura militar que tanto combatera e um dos últimos auxiliares do presidente deposto, João Goulart, a deixar o país, num pequeno avião, ao lado de Waldir Pires.

“Hoje é o dia de Darcy Ribeiro”, comentava-se à boca pequena, com a mesma ansiedade com que se aguarda a apresentação de um pop-star. E Darcy Ribeiro era, realmente, um pop-star, da cultura e da brasilidade. Cheguei cedo e logo em aboletei no “galinheiro”, próximo à abertura de entrada da lona, com a sensação de que assistiria a mais um espetáculo dos circos mambembes das pequenas cidades que, na infância e adolescência, apelidávamos de “tomara-que-não-chova”, pelo estado deplorável da lona, mais para queijo suíço. Mas, para a gente, meninos no interior,  o Circo de Moscou da nossa aldeia.

Eu estava, portanto, espremido no “galinheiro”, o primeiro no corredor da entrada, quando um senhor de cabelos compridos, óculos de míope e o sorriso maroto de mágico que esconde o truque principal na manga do paletó, bate em minha perna. Eu me viro e ele pergunta:

–   Esperando o que, rapaz?

Sem atentar para o fato de que todos sabiam o que esperávamos ali, respondo com aquela solicitude ingênua dos jovens:

– A palestra do professor Darcy Ribeiro.

– E ele vem mesmo? – indaga o desconhecido.

– Claro que vem – garanto, com a convicção religiosa de um menino que, ansioso num circo, recusa a possibilidade de que não haverá espetáculo.

O homem sorri, solidário, como se compreendesse a aflição do rapaz e se encaminha para o picadeiro. Não era o dono do circo, nem o trapezista, muito menos o palhaço. Mas era um mágico: Darcy Ribeiro.

Até hoje, muitos anos depois, tenho a sensação de que Darcy Ribeiro, erê do Brasil, tirou onda de minha cara.

Anúncios

Comentários»

1. textosaovento - outubro 18, 2015

Que crônica maravilhosa, Eliezer!

Enviado do meu iPhone

>


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: