jump to navigation

REZA DE SÃO FRANCISCO abril 19, 2018

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

Cansei dos homens
(carrapichos).
Vou viver com os bichos.

Anúncios

INFÂNCIA abril 19, 2018

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

Para Dona Bete, em algum lugar das estrelas.

Quando eu fiz dez anos, pensei: 
mãe vai fazer um bolo para mim.
Quando fiz vinte anos, pensei:
os colegas vão fazer um bolo para mim.
Quando fiz trinta anos, pensei:
meus irmãos vão fazer um bolo para mim.
Quando fiz quarenta anos, pensei:
meu amor, fará um bolo para mim.
Quando eu fiz…

Bem antes,
um menino viu uma senhora
cobrir de glacê a pequena humanidade.

SUCATAS março 8, 2018

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

Não foi a geladeira,
Nem a máquina de lavar.
Foi uma canseira,
(Meu anjo),
De um arranjo
Que se chama lar.

AO LESTE DO ÉDEN fevereiro 26, 2018

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

Não ter feito nada que preste.
Eis uma peste.

EM KANDAHAR janeiro 29, 2018

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

Um dia, vou mudar.

Nem que seja para Kandahar.


 

ROUPA SUJA janeiro 29, 2018

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

 

Como uma lavadeira à beira do rio,
que pega a roupa molha, ensaboa,
esfrega, lava, bate, enxágua,
torce e bota para secar nas pedras,
um dia, hei de pegar a trouxa da vida,
lavar, ensaboar ,enxaguar, torcer
botar para secar ao sol de mim mesmo,
esperar que enxugue no celeste varal
e depois, bem depois, sair às ruas,
limpo, sobranceiro, todo estival.

 

 

 

AMANHECER DA GUERRA janeiro 12, 2018

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

Nenhuma guerra é necessária.
Pode o canhão despertar
a humanidade do orvalho?

Não há orvalhos para os mortos.

POESIA dezembro 12, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

Ponte entre abismos.

Salto de poucos.

ESTILO setembro 15, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

vento 2

Não ter estômago
para as pedras das palavras.

Escrever (com ou sem acento),
com o giz do vento.

EU PROFUNDO E OUTROS EUS setembro 4, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

fernando-pessoa

Quantos sou na manhã, na tarde,

na noite e na madrugada?

Quantos de mim sou eu mesmo?