jump to navigation

PASSANDO A VIDA EM REVISTA setembro 28, 2017

Posted by eliesercesar in Sem categoria.
add a comment

Banca

I

Numa banca de jornal há publicações para todos os gostos;
para a dona de casa, o jardineiro, a cozinheira,
a criança, o adolescente, o intelectual,
a direita, a esquerda, o centro
e até para quem deseja plantar coentro.

II

Também vejo as pessoas assim:
publicações para todos os gostos.

Anúncios

RUMO setembro 28, 2017

Posted by eliesercesar in Sem categoria.
add a comment

queixo

Nem que você quebre o queixo:

coloque sua vida no eixo.

A TARDE DO MENINO setembro 28, 2017

Posted by eliesercesar in Sem categoria.
add a comment

menino

Tem que ser numa tarde,
com o vento soprando.
Na rua, vozes quase inaudíveis;
um começo de chuva e um pouco de frio.
Uma cama, um cobertor e um menino pensando.

Em que estará pensando o menino?
Talvez, no mundo, ainda distante,
lá fora.

ESSÊNCIA setembro 28, 2017

Posted by eliesercesar in Sem categoria.
add a comment

Trim

Lembro o cheiro dos cabelos de meu pai.
Trim?, Biocream?
Não importa:
está em mim.

ESTILO setembro 15, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

vento 2

Não ter estômago
para as pedras das palavras.

Escrever (com ou sem acento),
com o giz do vento.

EU PROFUNDO E OUTROS EUS setembro 4, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

fernando-pessoa

Quantos sou na manhã, na tarde,

na noite e na madrugada?

Quantos de mim sou eu mesmo?

CALENDÁRIO setembro 1, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

o-tempo-voa

Entre a paciência da morte
e a avidez da vida,
mais um dia.

PAUTA setembro 1, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

peixe

Histórias de superação
(um triunfo entre muitos ais)
servem muito aos jornais.

Em nossa era,
a humanidade não se supera.

RIO agosto 22, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

rio

Há vidas que não têm divisor de águas,
previsíveis e estagnadas,
duras e sem rupturas,
como um rio que não deságua.

ROSTO NO ESPELHO agosto 4, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

 

I

 

O Rosto no espelho

No espelho, vejo o rosto de meu pai.

Ou será o meu?

Tanto faz!

 

II

Pois lhe digo:

Vejo um rosto antigo.

III

Com os olhos baços,

e a alma transida,

o que vejo é uma forma

(até então desconhecida),

de cansaço.