jump to navigation

OS DOIS LADOS DA VIDA junho 13, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

Sem Pressa

I

Hei de decidir sobre
os dois lados da vida.
Um desiste;
outro persiste.
Um é alegre,
outro, triste.
São mesmo assim
os dois lados da vida.

II

Sei o meu.

DO LIVRO DAS INDAGAÇÕES junho 8, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

só

Que homem é estável?

TALENTO maio 19, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
1 comment so far

Garota lendo

Às vezes ágil;
outras, lento.

O verso ruim
é um tormento.

 

ÉDIPO CAATINGUEIRO – Em O homem da lupara amarela, Alfredo Gonçalves de Lima Neto se inspira em Sófocles para criar uma tragédia no sertão. abril 1, 2017

Posted by eliesercesar in Resenhas.
Tags: , ,
1 comment so far

Lupara

Em companhia de um amigo, um rapaz viaja para Crato, no sertão do Ceará, para conhecer a festa do padre Cícero Romão Batista, o Padim Ciço dos devotos nordestinos. Lá, ouve de uma cigana a terrível profecia: “Estás fadado a deitares com tua mãe e também a matares o teu pai! ”. Até então de boa índole, o jovem se assusta. Volta para casa, mas não consegue esquecer a previsão da mulher. Teria o vaticínio a mesma força, inelutável e cega, que rege o destino fechado dos heróis caídos da tragédia grega?

A resposta está no romance O homem da lupara amarela do escritor Alfredo Gonçalves de Lima Neto, médico nascido em Salvador e radicado em Valença, no baixo sul da Bahia., que transplanta para o sertão baiano o cerne da desdita de Édipo Rei, a mais conhecida tragédia de Sófocles (496 ou 494 a.C – 406 a.C). (mais…)

EUREKA março 28, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

eureka

I

Não se debata procurando o poema.
Não fique triste.
Tem certeza que ele existe?

II

Não se debata procurando o poema,
Se não veio, a culpa não foi dele.
Se desejar, arranque os cabelos.
Ou, então: espere, espere.

III

Quem sabe um dia,
você poderá dizer: Eureca?!
Então, enfim, já fez o seu poema
e também ficou careca.

BRASIL março 28, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

Chora, Brasil.

Lutamos pelo pão,
pelo sim e o não,
pela terra e a nação.

Lutamos pela clareza,
jamais pela escuridão.

E, no entanto, (faz sentido?),
ficamos num ponto indefinido
entre a esperança e a decepção.

O TÚMULO DE MEU PAI março 3, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

folha

I

Revi o túmulo de meu pai
(1918-1989, difícil aritmética).

II

Revi o túmulo de meu pai.
Então, achei a vida breve,
como a folha amarelinha,
eterna e breve,
que caiu sobre o túmulo de meu pai.

Tucano, Bahia, 27-02-2017

TROPEÇO fevereiro 20, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

pedra

Siga no caminho da retidão.
O mundo é claro,
mas também escuridão.

Um passo em falso,
não é só um passo.

DRACMA fevereiro 16, 2017

Posted by eliesercesar in Poesia.
add a comment

nica

Pois, tenho o nome de César,

e, a César, devolvo a vil moeda.

Não sou imperador.

Sou poeta!

ALMAS MORTAS – Em As Feras, o argentino Roberto Artl, dente outas histórias, faz a radiografia de um escritor fracassado. janeiro 28, 2017

Posted by eliesercesar in Resenhas.
add a comment

 

as-feras

Poucas histórias desnudaram tão cruamente o egocentrismo mesquinho da criação e os embustes da crítica literárias como o conto O escritor fracassado, um dos oito relatos de As Feras, do escritor argentino Roberto Arlt. É história de um jovem e promissor escritor, incensado pela crítica, admirado e invejado por seus pares, que publica um livro de sucesso, que, depois da estreia bem-sucedida, sucumbe à mais absoluta esterilidade, sendo, doravante, incapaz de escrever uma linha que preste.

A angústia da criação bloqueada leva o rapaz à autocomplacência de acreditar que está passando por um período passageiro, ao final do qual brotarão as grandes obras gestadas na aflição e no sofrimento. Ele chega a encontrar um álibi para a sua inatividade: já não escreve  com a facilidade de  antes porque o seu grau de exigência aumentara:

Se eu não produzia como certos escrevinhadores alcunhados de coelhos ou moços de recados da literatura, era porque estava ficando exigente. Isso mesmo. E a exigência bem entendida começa em casa. Nada de produzir a rodo sem quê nem porquê.; nada de sem derramar, nem de trabalhar dia e noite e noite e dia, nem de infestar os jornais com a assinatura. Isso não era digno de um escritor que se preze.

– Amigos – perorava enfático, – Amigos, temos que ser um pouco exigentes, conservar o pudor da assinatura. (mais…)